.

.

.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Delegados de Policia Civil decretam greve e paralisam atividades desde quinta.

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do Maranhão (Adepol-MA) decretou – após assembleia realizada na última sexta-feira (14), na sede da instituição – estado de greve, depois de um amplo debate em plenário; que reuniu os delegados que atuam na capital maranhense e no interior do estado. Além disto, a categoria, também, anunciou uma paralisação gradativa, que irá acontecer nos dias 20, 27 e 28 deste mês.  A decisão foi tomada em virtude das precárias condições de trabalho, com abandono dos prédios onde funcionam as delegacias, sobretudo os plantões centrais; bem como em prol de uma sede própria para a Polícia Civil maranhense.

DSC_5805

De acordo com o delegado Marconi Lima, presidente da Adepol-MA, o governo do Estado fez “vista grossa” para os problemas da categoria, sendo que, nos dias 7 de janeiro e 11 de fevereiro deste ano, dois ofícios (comunicando sobre as reivindicações) foram enviados ao Poder Executivo estadual; mas “não houve respostas”. Sem contar, continuou ele, que realizamos diversos telefonemas, “com pedido de audiência”, sem feedback, como nas outras tentativas de um acordo. Dessa forma, após a assembleia geral extraordinária da sexta-feira – na qual os delegados expuseram suas indignações –, o ofício n° 015/2014 foi encaminhado à governadora Roseana Sarney (PMDB), comunicando o estado de greve e a realização das paralisações gradativas.

Inicialmente, contou o delegado Marconi Lima, a categoria irá realizar três paralisações, sendo a primeira agendada para a próxima quinta-feira (20), por 24 horas; e as outras nos dias 27 e 28, também deste mês, por 48 horas; com início previsto para as 8h, em frente à sede da Adepol – Rua da Palma, respeitando o que determinam o Artigo 37, VII da Constituição Federal (CF) e a Lei 7.783/89. Outra decisão tomada pelos delegados foi a instalação de uma assembleia geral permanente, onde reuniões serão convocadas durante o período em que perdurarem as negociações com o governo do Estado.

As reivindicações, segundo o presidente da Adepol-MA, são: declaração de prioridade na adoção de processo seletivo permanente de remoção (órgãos como o TRT e TRE já possuem este dispositivo legal, onde editais são divulgados para a referida finalidade); imediata retificação da aposentadoria do delegado de Polícia Civil José Ribeiro de Oliveira, “da 3ª para a 1ª classe” (com remuneração do cargo em que se deu o benefício); a adoção de uma escala de trabalho na qual os delegados não respondam cumulativamente pelo expediente de delegacias “além daquela para qual possui portaria de lotação” e o gerenciamento dos recursos da Polícia Civil pela Delegacia Geral.

Ademais, os delegados desejam uma sede própria para a categoria; a construção de novos plantões centrais (considerados “cartões postais” da cidade); restauração dos prédios que abrigavam distritos policiais na Rua da Palma (conjuntamente com aquele da Rffsa, onde estão instalados o Denarc, a Delegacia do Idoso, o 1° DP e o Plantão Central da Beira-Mar), e a construção de delegacias no interior do Maranhão.

icon COMUNICADO DE PARALISACAO (2.35 MB 2014-02-18 09:01:06)

0 comentários :

Postar um comentário