.

.

Curta o rei no Facebook

.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Operação prende 6 vereadores por cobrar propina de empresas para aprovar leis

Uma força-tarefa do MP (Ministério Público) de Minas Gerais e da Polícia Militar prendeu, no início da manhã desta terça-feira (24), seis vereadores do PT, PSDB e PMDB do município de São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte. O número de presos ultrapassa a metade dos vereadores da Casa, que são 11 no total --os outros cinco são do PSB, PV, PR, PRTB e PSDB.

Paulo Filgueiras / EM / D.A Press

Acusados de extorquir empresários para a aprovação de matérias na Câmara Municipal de São Joaquim de Bicas, foram presos o presidente da Casa, Carlos Alberto Braga Fonseca (PSB), o Carlinhos da Funerária; Enilton César da Silva(sem partido), o Niltinho; Marcos Aender dos Reis (PT), o Marcão; Tarcísio Alves de Resende (PMDB), o Neném da Horta; Cristiano Carvalho (PMDB), o Balança; e Fábio Cândido Correa (PSDB), o Fabinho do Bar.

Eles foram presos em suas casas e levados para prestar depoimento na sede do MP em Igarapé, também na região metropolitana. Na casa de dois deles, foram encontradas armas e munições.

De acordo com o MP, o esquema funcionava mediante a cobrança de propina de empresários que desejavam ter projetos aprovados no município, que dependiam de votação na Câmara. Os vereadores procuravam o empresário e informavam que o projeto só seria aprovado depois do pagamento do suborno. 

As investigações do MP tiveram início há dois meses, após empresários dos segmentos imobiliário, metalúrgico e de plásticos denunciarem os vereadores. Computadores e documentos foram apreendidos na Câmara e nas residências dos acusados.

O MP informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que somente após os depoimentos, no período da tarde desta terça-feira (24), serão fornecidos detalhes da operação deflagrada para combater o esquema de corrupção que funcionava na Câmara do município de 25 mil habitantes.

O UOL ligou para os gabinetes dos seis vereadores na Câmara, mas as ligações não foram atendidas. A assessoria do MP não soube informar se os vereadores já haviam constituído defensores para acompanhar o caso.

Segundo o tenente PM Rocha, responsável pela operação de prisão dos vereadores, foram encontradas armas e munições nas casas dos vereadores Carlinhos da Funerária (um revólver calibre 22 e munições) e Fabinho do Bar (um revólver calibre 38 e munições). O militar explicou que os dois terão de responder também por isso, já que não apresentaram licença para o porte de armas.

1 comentários :

  1. Espero que a justica de Acailandia faça cumprir as mesmas leis constuticionais pois esperamos mudanças baseados em fatos reais

    ResponderExcluir