.

.

Curta o rei no Facebook

.

terça-feira, 17 de março de 2015

Polícia desbarata esquema de adoção ilegal de recém-nascido no hospital municipal de Açailândia

Um casal de professores da rede pública foi preso por suspeita de fraude no processo de adoção de uma criança, no município de Açailândia, no oeste do estado. A Polícia Civil está investigando o caso e desconfia que uma rede especializada neste tipo de crime esteja agindo no município.

Márcia Lisboa Sampaio Martins, de 23 anos, e Fernando Martins da Silva, de 26, foram presos em flagrante. Eles são casados e há quatro meses adotaram uma recém-nascida sem passar por todas as etapas legais de adoção. A criança foi retirada do casal, entregue ao Conselho Tutelar, que a levou para um abrigo.

"Hoje a criança se encontra na Unidade de Acolhimento Institucional. A mãe biológica, que tem 17 anos, está em companhia da criança", explicou a conselho  tutelar. Ainda segundo a conselheira, apesar da denúncia de maus tratos, o que mais pesou na prisão do casal foi a falsificação dos documentos da adoção.

Esquema de adoção;

Segundo a Polícia Civil, o esquema de adoção ilegal acontece assim que as crianças nascem. A mãe biológica apresenta a carteirinha do Sistema Único de Saúde (SUS) da mulher que se interessa em ficar com a criança. Quando o hospital registra o bebê, o documento fica em nome da mãe falsa mãe biológica, que com este papel, consegue registrar a criança em qualquer cartório.

A investigação da polícia apontou que o casal teve a ajuda de uma assistente social. "Identificamos que há um aliciamento preeliminar. A mãe biológica chegou a morar na casa do casal durante três meses e, assim que a criança nasceu, eles tomaram o bebê e expulsaram a mãe de casa", revela o delegado Murilo Lapenda, que diz que a polícia já tomou conhecimento de quatro casos de adoção ilegal em Açailândia.

A Defesa;

Segundo o advogado do casal Dr. Thiago Campelo, foi concedida a liberdade provisória pela Justiça aos dois na noite de sábado dia 07.03, além do mais será requisitado o segredo de justiça pra q não se tirem conclusões precipitadas antes de qualquer denúncia formal, já que tudo está à nível investigativo, e por fim o casal irar dar inicio ao processo de adoção judicial afim de legalizar a adoção do menor.

0 comentários :

Postar um comentário