.

.

Curta o rei no Facebook

.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Movimento Rede de Cidadania

clip_image002

Nota à Sociedade Açailandense

O Movimento Rede de Cidadania, constituído por vinte e oito (28) entidades da sociedade civil urbana e rural de Açailândia-MA, vem por meio desta demonstrar nossa indignação e repúdio às declarações públicas feitas pela Prefeita Municipal de Açailândia no último dia 15 de julho em entrevista coletiva na imprensa local.

Acreditamos e defendemos os princípios da Administração Pública – LEGALIDADE, IMPARCIALIDADE, MORALIDADE, PUBLICIDADE E EFICIÊNCIA em todo o seu alcance social e político, sempre na confiança de que o respeito a estes princípios promoverá o bem comum e garantirá a democracia em toda uma sociedade, sendo os poderes constituídos responsáveis diretos pela sua efetividade.

Desde sua emancipação, nossa cidade vivencia atos de improbidade administrativa, causados pelo desvio do dinheiro público, consequência de uma gestão inconsequente e sem planejamento. Tal situação gerou um caos nos serviços públicos, implicando no momento atual numa das piores crises política e administrativa da nossa história.

A atitude de um/a administrador/a público, independente das razões “políticas”, não pode ser usada para promover o sofrimento e a vingança contra seus concidadãos, mas garantir a paz, a solidariedade e o diálogo necessários para construir caminhos que possibilite toda uma sociedade o usufruto de uma vida justa e fraterna.

Diante desta realidade perversa e insustentável, vimos demonstrar nosso repúdio a Sra. Prefeita Gleide Lima Santos, quando em sua entrevista coletiva se reportou de maneira odiosa e vingativa - “Podem ser 200, 300 ou 1000 vou derrubar tudo, logo que sair a autorização”, referindo-se às mais de 200 famílias acampadas em uma área de domínio público municipal (próximo ao Centro de Zoonoses). Tal declaração demonstra o desprezo e total desequilíbrio administrativo no trato com o ser humano, aumentando assim a tensão política e reduzindo a capacidade de diálogo com o povo.

Externamos nossa solidariedade aos sem-teto acampados próximo ao Centro de Zoonoses, bem como desejamos que as políticas públicas voltem a funcionar e lutamos para que haja a paz social em nosso município e que as autoridades deem um basta nesta instabilidade política administrativa que assola nossa cidade.

Respeitosamente,

Movimento Rede de Cidadania

Associação dos Concessionários do Mercado Municipal, Associação dos Deficientes Físicos de Açailândia – ADEFIA, Associação Cultural de Capoeira de Açailândia, Associação dos Moradores do Bairro Laranjeira, Associação dos Trabalhadores da Carne Fresca, Associação do Bairro Jacu, Associação dos Moradores do Piquiá, Associação Agrícola Hortifrutigrangeira de Açailândia, Associação dos Moradores de Açailândia – AMA, Associação dos Moradores de Açailândia – AMA, Associação Esportiva, Educacional, Cultural e Ambiental da California – AFEECA, Associações dos Agricultores e Agricultoras da PA Francisco Romão, Associações dos Agricultores e Agricultoras da PA Francisco Romão, Associação dos Sem Tetos/Centro Zoonoses, Associação Comercial e Industrial de Açailândia – ACIA, Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos/Carmen Bascaran - CDVDH/CB, Associação Rádio Comunitária Açailândia-MA ARCA FM, Câmara de Dirigentes Lojistas de Açailândia, Centro Comunitário Frei Tito, Centro Espiritualista Filhos do Oriente Maior, Delegacia Sindical dos Agentes Comunitários de Saúde, Fórum de Direitos da Criança e do Adolescente, Movimento dos Trabalhadores Sem-terra – MST, Pastoral da Juventude, Paróquia Santa Luzia, Sindicato dos Comerciários de Açailândia – SECA, Sindicato dos Bancários do Maranhão – SEEB, Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das R. Públicas Est. e Munl. do MA – SINPROESEMMA, Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Açailândia –MA - SINTRASEMA, Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Açailândia – STTR, Sindicato dos Trabalhadores em Indústria e Metalurgia de Açailândia – STIMA, Sindicato dos Urbanitários do Maranhão – STIU.

0 comentários :

Postar um comentário