.

.

.

sexta-feira, 8 de março de 2019

Prefeitura de Açailândia trabalha para impedir o assoreamento da “Lagoa do Joaquim”



Por conta das fortes chuvas que estão caindo na região, o que é muito bom para a agricultura, bem como para aumentar o nível dos lagos e rios que sofreram nos últimos anos com à extrema escassez de água, chegando a interromper várias atividades para quem sempre precisou para sobreviver do rio.

Por lado, o fenômeno natural causa sérios prejuízos ao meio ambiente como os deslizamentos em encostas e morros urbanos, causando também o assoreamento de lagos e rios. O crescimento desordenado da cidade, com a ocupação de novas áreas de riscos, principalmente pela população mais carente, bem como pela ação humana, contribuindo de forma considerável para o desequilíbrio da natureza.

Em Açailândia, o Secretário Sininger Vidal, acompanhado de uma equipe técnica da Secretaria de Meio Ambiente, fez uma vistoria na “Lagoa do Joaquim”, setor urbano da cidade, onde detectou o assoreamento às margens da lagoa, ora provocado por construções e moradias irregulares no entorno do lago, principalmente a desastrosa destruição de um morro nas proximidades, o que provocou ainda mais o assoreamento e a obstrução dos vertedouros da água da lagoa.

O vertedouro é considerado uma das partes mais importantes da barragem, uma vez que a “Lagoa do Joaquim” foi separada ao meio e há muitos anos, na construção da BR-222, formando uma espécie de barragem do curso natural da água.

É uma obra de engenharia hidráulica, que consiste em um canal construído artificialmente, com a finalidade de conduzir a água de forma segura através de uma barreira, servindo como sistema de escape, impedindo a passagem da água por cima da rodovia quando ocorrem chuvas ou aumento da vazão do lago, o que torna quesito de segurança em barragens. 

Para resolver o problema, homens da secretaria de Infraestrutura, foram acionados para fazerem o trabalho de desentupimento dos bueiros sob a rodovia, que serve para escoar a água da “Lagoa do Joaquim” para o Riacho Esperança.

De acordo com Sininger Vidal, foi necessário convocar em caráter de urgência os homens da SINFRA para abrir uma grande vala com a finalidade de desobstruir o canal e liberar a passagem da água. “Com este serviço, a água volta a verter livremente nos bueiros, impedindo que o nível da água continue subindo e cause algum dano na rodovia ou mesmo aos moradores que habitam nos arredores da lagoa. Agora, o problema foi solucionado e graças a ação imediata das duas secretarias”, finalizou Sininger Vidal.   

ASCOM-PMA – Por: Antônio Maria

0 comentários :

Postar um comentário